3 Passos para educar filhos mais felizes e bem-sucedidos

3 Passos para educar filhos mais felizes e bem-sucedidos

O desafio de educar filhos mais felizes e bem-sucedidos

Os estudos mais recentes têm mostrado que a felicidade pode-nos levar ao sucesso e não o contrário. Numa sociedade dominada por indicadores quantitativos, a qualidade dos momentos que vivemos poderá fazer a diferença nos líderes do amanhã. Sendo assim, como podemos educar filhos mais felizes?

Há uma conclusão que parece ser consensual entre os investigadores: ao longo das últimas décadas a forma como o nosso tempo de lazer é gasto tem mudado drasticamente, principalmente nas crianças e adolescentes. Os últimos dados indicam que os jovens estão a passar mais de 6 horas por dia do seu tempo livre em frente a écrans (internet, mensagens, redes sociais). Consequências: quanto mais tempo passamos em frente aos écrans, mais iremos perder nos contactos cara a cara (ao invés do online). A diminuição dos eventos sociais, da leitura de livros e o pouco descanso à noite estão a contribuir para uma diminuição da nossa saúde e felicidade.

A pergunta essencial que deve ser feita aos filhos

Na minha própria atividade como Consultor, Coach e Professor, tenho sido abordado cada vez mais para ajudar pais cujos filhos estão a ter dificuldades nos relacionamentos interpessoais, maiores níveis de indisciplina na escola e em casa, falta de tolerância com o outro, maiores níveis de stress e ansiedade, dificuldades em “desligarem-se” dos seus telemóveis”, etc.

Todos os pais querem que os seus filhos sejam bem-sucedidos, mas o mais importante é perguntar se eles se sentem felizes.

A felicidade não é algo que possamos procurar ou atrair, é mais no que qualquer um de nós se quererá tornar, com as suas atitudes e comportamentos diários.

Veja também: Escola: PNL ajuda alunos com dificuldades em aprender!

3 Passos para educar filhos mais felizes e bem-sucedidos

  1. Uma pausa nos dispositivos digitais

Momentos em que os pais e os seus filhos possam estar juntos sem que nenhum dispositivo digital desvie a sua atenção. Válido para ambas as partes, claro!

Eu costumo dizer, é um momento em que estamos para os nossos filhos (e vice-versa) e não com os filhos.

       2. Primeiro, o mais importante

O tempo que ele(a) passa nas redes sociais é um privilégio e não um direito. Então, primeiro ele(a) deve assumir as suas responsabilidades em casa, na escola e em família e depois poderá usufruir de alguns momentos com o seu dispositivo digital. É uma atividade limitada no tempo e não um direito ilimitado. Aqui o bom-senso será importante e, claro, qual a regra que está definida em família.

       3. Liderar pelo exemplo

Quando trabalho com pais este costuma ser o maior desafio, dar o exemplo. Se diz ao seu filho que só pode estar no telemóvel até às 22h, não seja você quem irá dar mau exemplo, em ficar agarrada ao seu dispositivo com a justificação do trabalho. A felicidade é uma forma de estar e começa em família, com os pais.

Acredito que ao colocar em prática estas 3 dicas irá contribuir para diminuir os níveis de stress e ansiedade nos seus filhos, aumentar os níveis de saúde e bem-estar geral, aumentar os níveis de motivação e os resultados escolares, e trazer uma maior harmonia para o núcleo familiar.

VER DATAS DOS PRÓXIMOS CURSOS

Gostou deste artigo? Visite o nosso Facebook para mais dicas sobre a Programação Neuro-Linguística e deixe-nos o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *