Alta competição: O papel da mente na busca do sucesso!

Alta competição: O papel da mente na busca do sucesso!

O desporto de alta competição sempre esteve associado à vertente física. Obviamente, é a parte motora que concretiza todos os gestos técnicos. São estes que permitem a marcação de um golo, a vitória numa corrida, um salto mais alto, a remada mais vigorosa, o lançamento certeiro, etc.

Mas também já se percebeu claramente que o estado físico de um atleta não é suficiente. Não é este que garante todas as condições para se ser bem-sucedido numa determinada modalidade. Não o seria no passado, mas muito menos hoje, em que o meio ambiente que “rodeia” um atleta é cada vez mais complexo.

A tenaz pressão da comunicação social e a exigência colocada pelos adversários surge muitas vezes quando os atletas ainda são muito jovens. É praticada pelos próprios progenitores e na dinâmica entre colegas de equipa. A ânsia por ganhar um lugar a titular pode valer muito. Por fim, também existe a pressão dos adeptos, cada vez mais exigentes e implacáveis.

É aqui que entra a componente mental, que pode complementar a componente física. Em muitas situações, o estado mental de um atleta pode influenciar diretamente a vertente física e vice-versa. Por exemplo, alguns desportistas que não sabem lidar com lesões graves durante a recuperação nunca mais conseguem regressar em pleno à atividade, mesmo depois de estarem recuperados fisicamente.

Neste artigo, vamos debruçar-nos sobre como o estado mental pode influenciar decisivamente o futuro do atleta de alta competição.

 

A importância do sonho para um atleta de alta competição

 

Tudo pode começar na cabeça do atleta, mesmo quando não está em ação no recinto desportivo. Aliás, pode acontecer inclusivamente numa fase inicial da carreira desportiva, aquando da definição do seu propósito. O alcance do sucesso pode depender da forma como o desportista define (ou não) objetivos, metas e sonhos.

Criar as bases para aquilo que se pretende alcançar em alta competição implica realizar refletidamente e consistentemente o exercício mental de definir onde quer estar no momento auge da carreira. Esse exercício deve mesmo começar pela dimensão maior de todas: o sonho.

Quantos títulos ou medalhas vai conquistar? Quantas bolas de ouro vai ganhar? Quantas vezes e em que palcos vai representar a seleção nacional? O sonho pode ser o culminar de uma carreira, o momento mais alto da mesma. Ou pode também ser a forma como se vê a ser ovacionado no dia da despedida da alta competição.

Mas podemos ser mais ambiciosos. Basta que o sonho se transforme numa visão. Trata-se da forma como o atleta um dia quer ser lembrado. Mesmo depois de já ter deixado a alta competição, que marca deixará na modalidade? De que forma o seu percurso influenciará os jovens que o seguirão nos anos seguintes?

Existem alguns atletas que, muitos anos depois de terem terminado as suas carreias, ainda são lembrados. Falamos de Pelé, Eusébio, Maradona, Rosa Mota, Michael Jordan, Ayrton Senna e tantos outros. Estes continuam, ainda hoje, a ser recordados por bons motivos!

 

Usar a imaginação para treinar a mente

 

O próximo passo para alcançar o sucesso em alta competição continua a ser o exercício mental. Trata-se de recorrer à ferramenta mais poderosa e acessível do comum dos seres humanos: a imaginação! Concretamente, de identificar os principais momentos que listou no exercício anterior e imaginar como é que os mesmos vão acontecer ao mínimo detalhe.

Pense como é que vai viver a final de uma grande competição ou como será o erguer da taça. Como o vai fazer, a pensar em quem, o que vai dizer no momento da entrevista. Imagine ao detalhe como vai querer ouvir o hino nacional no pódio ou comemorar um golo decisivo marcado. E a quem vai dedicar a vitória ou o discurso no palco após receber um grande troféu individual?

Toda esta descrição deverá ser imaginada ao detalhe e vivida mentalmente como se o atleta já lá estivesse, mesmo sem ter acontecido. Além das imagens mentais, também pode usar imagens em papel e mantê-las em suporte físico para as visualizar dia após dia!

 

Definir metas e objetivos com vista às grandes vitórias

 

O passo seguinte é realizar este exercício repetidamente até todos esses momentos planeados e imaginados se “implantarem” no subconsciente de forma consistente. Dessa forma, em qualquer momento do caminho que vai percorrer, os mesmos estarão mentalmente presentes.

A partir daí, não existe garantia de que tudo o que é imaginado vá mesmo acontecer. Depende do caminho que o atleta vai percorrer rumo ao sonho. Mas, com toda a certeza, vai ser a força necessária à qual recorrerá nos momentos menos bons.

É fácil aceitar que o caminho vai ter momentos menos positivos. Fases em que a distância entre persistir e tornar-se o novo “Cristiano Ronaldo” ou desistir vai ser muito curta e ténue. Há que recorrer a ferramentas do treino mental para que o atleta mantenha esta “distância” o maior possível!

Estando o sonho bem definido e a rotina mental para o ter sempre presente, está na hora de lutar por ele. É chegado o momento de enfrentar o “terreno” e percorrer o “caminho” da alta competição.

Há que entrar no relvado, pavilhão, pista ou piscina e enfrentar as competições que vão surgindo ao longo do tempo. Além disso, é importante perceber a importância do momento do treino. Mesmo não sendo uma competição, é fundamental para atingir as metas e objetivos que vão ser definidos.

Falamos das conquistas de curto/médio prazo que o atleta vai querer obter. Todas somadas, são o que o levará ao sonho definido e às grandes vitórias coletivas e individuais. Mas há que ser paciente e perceber que se começa com pequenas vitórias.

 

A importância da motivação

 

Uma carreira de sucesso em alta competição não se inicia com presença numa equipa principal, na divisão cimeira ou no melhor campeonato da Europa. Há que estabelecer objetivos intermédios que passam por evoluir de forma a atingir patamares superiores. Definir essas metas e colocar-lhes uma data pode ser tão importante como o sonho mais lá à frente.

Há um caminho longo para percorrer e, independentemente do ponto em que o atleta está hoje, vai ser possível lá chegar. Até porque outros já o conseguiram! Para tal, é necessário manter a motivação no curto prazo.

“Alimentar” a motivação a nível mental passa por estabelecer objetivos como:

– Quando é que pretendo chegar à equipa principal;

– Quantos golos vou marcar na época que se inicia;

– Quantos jogos a titular quero realizar;

– Qual a primeira meta que vou querer atingir naquela corrida e quando é que a vou atingir;

– Quantas etapas quero ganhar na época atual;

– Qual a média de pontos que quero marcar.

Estas serão as pequenas vitórias do presente que levarão às grandes conquistas do futuro. Devem ser levados tão ou mais a sério do que as grandes conquistas que fazem parte do sonho. Há que definir claramente os objetivos, traduzi-los em números ou datas, escrevê-los no papel e torná-los visíveis.

Agora passemos à ação. O desporto de alta competição faz-se de vitórias, de golos, de corridas ganhas, de saltos mais altos e mais longos.

 

Gostou deste artigo? No próximo, explicarei como aliar ação com a preparação mental. Subscreva o blog da IHTP e seja notificado da publicação de novos textos. Lembre-se de que o sucesso está ao alcance de todos, apenas precisamos das ferramentas certas para lá chegar!

 

Álvaro Magalhães
Consultor IHTP Academia Desporto

 


Subscreva o nosso blog!

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *