A verdade sobre recomeçar a vida aos 45 anos

A verdade sobre recomeçar a vida aos 45 anos

A verdade sobre recomeçar a vida aos 45 anos

Quantos de nós não tiveram já que recomeçar a vida? Esta prática começa desde muito cedo, quando ainda no ensino primário o professor nos dizia para apagar e escrever desde o início. Até aqui tudo fácil, realmente as coisas complicam quando é a nossa vida que está em causa e quando esta nos prega partidas, fruto de más opções no passado, ou de rasteiras inesperadas e aí sim, começar do zero não é fácil de todo, é como dar um salto no vazio e no desconhecido, como conter a respiração ao ponto de nos causar a dor no peito.

É bem provável que muitos dos que estão a ler este texto, já tenham tido a necessidade de começar de novo em mais que uma ocasião. Este “re”começo pode ter sido numa relação pessoal, afetiva ou familiar, mas também pode ter sido no trabalho.

O pensamento errado do “tarde de mais”

Um aspeto curioso e comum a muitos daqueles que sentiram a necessidade de “re”começar, é que num determinado momento, naquele momento de dar o primeiro passo e construir uma vez mais nossos próprios caminhos em busca da felicidade, é o pensar que “já é tarde demais”, que ter uma certa idade supõe, por exemplo, ter que ceder, calar e aguentar porque as nossas oportunidades já passaram; nessa altura, sentimos um tremendo desejo de travar a fundo, mas meus caros amigos e amigas, isso não é bem assim,  na realidade nunca é tarde para sair do sofrimento, e em boa verdade cada um de nós deve ter essa obrigação consigo mesmo, o ter a ousadia de desafiar todas as crenças limitadoras que possam estar em nós instaladas; nós merecemos ser felizes, nós merecemos ter uma vida de prazer e realização, nós merecemos e podemos triunfar!

Neste preciso momento e com quase 45 anos de idade estou nessa fase, depois de meses de frustração e falta de reconhecimento na minha vida profissional, vejo-me literalmente obrigado a “re”começar de novo. Valores maiores falam mais alto, a necessidade de garantir a segurança à minha família, o ter que honrar os meus compromissos como sempre fiz, o querer fazer algo que seja reconhecido e valorizado, levou-me a reconsiderar toda a minha vida, dar um basta e impor a mim mesmo a mudança, na certeza que será uma mudança para muito melhor. MEDO? Claro que sim, mas alguém me ensinou que o M.E.D.O. é apenas Mais Energia para Derrubar Obstáculos, e estou certo que tudo correrá bem, pois eu farei por isso! Quero que ao lerem este artigo possam ver e sentir na minha reflexão e sugestões que a vossa vida também pode “re”começar seja ela em que idade for!

Começar do zero em qualquer idade? Como fazer?

Ao dar este passo e ao ter resolvido recomeçar de novo, tive que levar em conta algumas recomendações que quero partilhar convosco, na certeza que também vos poderão ajudar… e muito, seja qual for o vosso problema.

Há que começar por pensar no futuro e perguntar a nós mesmos como gostaríamos de nos ver daqui a alguns meses ou daqui a alguns anos, qual a nossa situação desejada, para onde queremos caminhar, qual a nossa meta, quais os nossos objetivos, quais os nossos sonhos, qual a nossa Visão. Se você tiver dúvidas, se sentir o tal MEDO, faça o seguinte exercício de visualização: imagine-se dentro de X anos, mas imagine-se feliz, satisfeito, realizado e tranquilo, com a certeza de que fez as escolhas certas e que o caminho percorrido valeu a pena.

Depois, devemos avaliar como nos sentimos no momento atual: aí encontramos aquilo que será o motivo. Mais do que buscar momentos de grande felicidade na vida, é preciso ter paz interior, harmonia, equilíbrio e satisfação. Se não sentirmos estas mesmas dimensões no agora, isso é prova evidente do quão necessário é fazer uma mudança. E nós merecemos uma nova oportunidade. Se precisa de ajuda pode sempre frequentar um evento fantástico nessa vertente que é o GPS-Guie-se pelos Sonhos.

Quando começar e “re”começar

A acção começa no agora, todavia, sugiro que se comece com pequenos objetivos a curto prazo. Toda a mudança requer, em primeiro lugar, tomar pequenas decisões que pouco a pouco nos levarão a dar o passo final. Alguém disse um dia, o passo que der agora não significa que com ele atingiu o seu Objetivo, mas é certo que pelo menos com esse passo saiu de onde estava anteriormente e com isso já se colocou a caminho. Deixo alguns exemplos daqueles que poderão ser os nossos pequenos objetivos, os quais considero que deveríamos propor a nós mesmos, sempre que tenhamos que “re”começar na nossa vida:

  • Controlar a angústia e o medo. Considerando que estamos conscientes de que vamos efetivamente “re”começar, há que assumir e aceitar a decisão tomada. Substituir o medo pela tranquilidade interior e pela determinação;
  • Procurar a informação sobre como se gostaria de começar outra vez, pesquisar por ofertas de emprego, diferentes tipos de ajuda dos serviços sociais ou outros organismos oficiais, iniciar quem sabe o nosso próprio negócio, levando-nos a escolher com quem queremos trabalhar, e por quem nos queremos rodear;
  • Analisar a nossa trajetória e experiências, aprendendo com os fracassos e com as vitórias conseguidas;
  • Analisar se precisamos de mais educação, treino ou certificação. As grandes mudanças podem exigir qualificações que ainda não temos no momento, e há que pensar nisso, o conhecimento não ocupa lugar, e é fundamental.
  • Acreditar que não estamos sozinhos como podemos em algumas situações pensar. Procuremos apoio. Sem dúvida que, “re”começar uma nova etapa nos causa medo, angústia e muita insegurança, todavia, um modo de encontrar forças é sentir que há alguém a apoiar-nos e que entende a nossa ação neste novo caminho.

“O que tiver que ser será” e “nada acontece por acaso”

A verdade sobre recomeçar a vida aos 45 anos

Sejamos inteligentes e perspicazes na hora de procurar apoio. Teremos pessoas muito próximas que não darão bons conselhos, em alguns casos inclusive, irão recomendar “que não o façamos” ou dirão “aguenta um pouco mais, a vida é mesmo assim… ”. Se foi tomada a decisão de começar de novo, procuremos o relacionamento com pessoas que passaram pela experiência, essas pessoas, serão sem dúvidas, aquelas que poderão oferecer os melhores conselhos e os melhores apoios.

“O que tiver que ser será”…, “nada acontece por acaso”…., tudo são expressões que iremos encontrar, o futuro não está escrito e o amanhã pode estar repleto de novas oportunidades, tudo isso tem o seu quê de verdade, no entanto a maior verdade de todas é: Façamos algo e só assim algo poderá acontecer! Entendo que o passado tem um grande propósito no nosso caminho – o ensinar, oferecer sabedoria, acerto e maturidade, e isso é algo que podemos e devemos aproveitar para subir nos degraus de nossas vidas. Com as experiências do passado, tornamo-nos mais sábios. A aprendizagem é valor adicionado, uma arma de poder que nos torna mais fortes e capazes. Percebamos que quando damos o passo rumo à mudança, tudo será incrivelmente novo, mas o novo não é mau, é certo que pode deixar-nos assustados, mas também nos oferece a oportunidade de alcançar aquilo que buscamos ou desejamos.

O que desejamos é, antes de mais nada, sentir-nos bem connosco mesmos, livrar-nos da angústia, das lágrimas ou do fracasso que não deve determinar nossas vidas, e sim servir como incentivo para dar um passo mais além e assim encontrar o êxito.

Eliminar atitudes ou crenças limitantes

Sou velho demais, certamente não vou encontrar trabalho”: Quando temos alguma idade, este será certamente o 1º grande pensamento limitante a “bater à porta”, ao invés de nos deixarmos contagiar e atrofiar, pensemos em quais são as nossas habilidades e sejamos criativos. Mais do que procurar, tenhamos a capacidade de ser procurados pela nossa qualidade e competência. Façamos uso da nossa criatividade, tenhamos a capacidade de criar nos outros o desejo de nos ter por perto.

De certeza que vou fracassar e vai dar tudo errado”. Acabemos com esta ideia. Considero que não sejamos profetas, e não podemos deitar-nos a adivinhar o que vai acontecer ou não. Levemos em conta que os pensamentos geram emoções, e um pensamento negativo, no final das contas, gera uma atitude negativa. Logo, tenhamos pensamentos e atitudes positivas, como assim e no final das contas, pensar tem o mesmo custo, por isso pensemos no melhor para nós!

Certamente que ninguém vai apoiar-me e nada disto vai valer a pena”. Não reforcemos este tipo de pensamentos. O apoio mais importante com o qual devemos contar é o apoio que iremos dar a nós próprios. Criemos compromisso connosco mesmos. Mais tarde, os bons amigos, a família e novas pessoas que iremos conhecendo dia após dia em nossas vidas, irão também elas dar o seu contributo para que possamos construir a nossa nova vida.

Todos merecem uma oportunidade!

Pouco a pouco começaremos a dar-nos conta de que tudo valeu a pena. Começar do zero é algo duro e complexo é um facto, mas mantendo os nossos objetivos, pautando-nos pelos nossos valores, nunca perdendo o foco nos nossos sonhos, a grande e boa mudança acontecerá, pois nós merecemos ser felizes e pessoas de sucesso, merecemos deixar de lado os dias de escuridão e de mal-estar, por isso, fiquemos calmos, vai acontecer e tudo correrá bem!

António Mendes Pinto

Consultor IHTP


Subscreva o nosso blog!

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *